QUEM É A MULHER VIRTUOSA DE PROVÉRBIOS 31.10-31?
28 de abril de 2021
“TRAGADA FOI A MORTE PELA VITÓRIA”
28 de abril de 2021

UM CLAMOR POR HOMBRIDADE

por Rev. Givaldo de Jesus Santana,

Pastor da Congregação Presbiterial de Pedrinhas Paulista/SP

Alguns dados mostram números alarmantes sobre a figura masculina como se segue: mais de 90% dos crimes são cometidos por indivíduos do sexo masculino. Mais de 90% do abandono escolar acontece entre eles e mais de 90% da violência doméstica é cometida também pelos homens. Se não bastassem todos estes indicadores alarmantes, existe um trabalho sistêmico desenvolvido por uma minoria no propósito de efeminar os meninos da nossa sociedade. É por estes e outros fatores que a hombridade em nossos dias está sob ameaça e vive uma verdadeira crise.

Assim como a ferrugem só existe enquanto dura o ferro e, portanto, não tem vida própria, de igual forma o reino parasita não possui autossuficiência, mas enquanto durar, a exemplo da ferrugem, tende a causar grandes estragos, daí a sua marcante presença desde a queda da humanidade no Éden.

Vale destacar que o objetivo da ideologia feminista não é empoderar a mulher para que se iguale ao homem, mas como se observa em falas feministas, o intuito é assumir uma postura de liderança sob a alegação de cobrar uma dívida histórica de opressão vivida pelo sexo feminino. Observe um dos lemas do movimento: “Você pode ser o que quiser, seja você menina ou mulher, você pode romper qualquer barreira e ultrapassar todos os limites”.  Dentro desta perspectiva, uma filósofa francesa disse: “Não se nasce mulher, torna-se mulher” Simone de Beauvoir. Enquanto isto Moisés registrou o seguinte: “Homem e mulher os criou” (Gn. 1:27).

O que dizer então da postura machista presente em nossa sociedade? Não restam dúvidas de que esta é outra distorção daquilo que o Criador idealizou como papel da figura masculina. A primeira coisa que já podemos desmistificar aqui é que a mulher é menos inteligente do que os homens (passa-se esta ideia quando o assunto é dirigir, por exemplo); tanto isto não é verdade que, conforme dados acima, as mulheres possuem mais escolaridade que os homens. Em momento algum vemos o texto bíblico reforçando superioridade do macho sobre a fêmea. Portanto, Machismo e Feminismo configuram-se como distorções daquilo que foi idealizado pelo Criador para a humanidade.

Vamos observar o texto de 1º Reis 2:2. De acordo com a passagem, o grande e respeitado rei Davi, vivia os seus últimos instantes de vida, e por esta razão, passou a orientar o seu filho Salomão sobre como deveria proceder para obter o respeito da sociedade visando à continuidade do seu reinado. O sucessor do trono de Davi precisaria evidenciar força para consolidar-se como rei, tendo em vista que o trono era cobiçado por muitos, daí o cuidado de Davi em reafirmar a coragem e a hombridade por parte do seu filho para que se consolidasse como líder.

Liderança! Esta é a ideia predominante do texto. Devemos sempre nos lembrar que, no princípio, assim que Deus criou o homem (Macho), antes da figura da mulher (Fêmea), deu ordens expressas: “Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar” (Gn. 2:15). Um fator a ser observado é que a essa altura a mulher ainda nem existia, mas quando foi trazida à existência não foi dito para Adão que ele teria uma subalterna ou uma concorrente, mas uma auxiliadora: “Far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” (Gn. 2.18). À luz das Escrituras, portanto, fica claro que Deus deu ao homem a tarefa de tomar iniciativas na condição de líder e não simplesmente de assumir uma retórica de superioridade como se fosse um chefe (faço distinção entre líder e chefe). Davi, portanto, disse para o seu sucessor: “sê homem”. Ou seja, assuma o seu papel de liderança.

Acontece que todas as vezes que a humanidade agiu para mudar o projeto da forma como foi pensado pelo Criador, as coisas deram erradas, a começar com o primeiro casal no Éden, daí o alerta em relação ao movimento feminista que aos poucos vem influenciando até as jovens criadas em famílias que compõem as igrejas.

Vamos imaginar o seguinte: uma casa forte depende de figuras masculinas fortes. Uma igreja forte depende de figuras masculinas fortes. Uma sociedade forte depende de homens que compreendem o papel que precisam desempenhar. Permita-me dizer mais uma vez que a ideia aqui não é de superioridade. Certa vez em uma sala de faculdade uma jovem expressou-se: “A Bíblia é machista, pois ensina que as mulheres são inferiores aos homens”. Abriu-se a partir dali um debate quando um pastor manifestou-se e perguntou: “Qual das meninas que aqui estão gostaria de casar-se com um homem sem iniciativas?” A resposta parecia óbvia. Todas disseram que não. Ouvi recentemente um jornalista fazendo a seguinte declaração: “O mundo está carente de liderança que dê rumo para a humanidade”. Será que a conta começou a chegar?

Comprometendo a base, toda a estrutura estará comprometida, por isso, o idealizador do reino parasita (diabo) busca disseminar de forma sistêmica que a ideia de macho e fêmea é produto de uma sociedade retrógrada. As propagandas dizem para a mulher que ela pode ser o que quiser e que não precisa do homem para nada, enquanto procura, por outro lado, reforçar a ideia de homens frágeis, sob a alegação de igualdade entre os sexos.

Ninguém tira foto do fundamento, mas é a parte mais importante da casa. Refiro-me à instrução dada pelo Senhor ao “ ’adám ” (homem). Ele não precisaria bater no peito para protestar masculinidade, mas simplesmente ser e fazer.  Ele deveria, portanto, estar na presença de Deus, trabalhar, cultivar, guardar e proteger. E para fazer tudo isso ele precisava de uma auxiliadora para lhe dar suporte, conforme Gênesis 2:18.

Não desprezar o princípio é o caminho. O rei Davi sabia de tudo isto, por esta razão, instruiu e alertou ao seu filho sobre um princípio essencial, a saber: para exercer a hombridade, é preciso amar a presença de Deus! “Guarda os preceitos do Senhor, teu Deus, para andares nos seus caminhos, para guardares os seus estatutos, e os seus mandamentos, e os seus juízos, e os seus testemunhos, como está escrito na Lei de Moisés, para que prosperes em tudo quanto fizeres e por onde quer que fores;” (1º Rs. 2:3).  Se o homem sai da presença de Deus ele morre (Gn. 3:3). Adão experimentou esta realidade. O povo de Deus está posto na sociedade para fazer a diferença conforme foi proposto por Cristo (Mt 5.13), entretanto, vemos com cada vez mais frequência pessoas do meio evangélico aderindo ao “politicamente correto” e assumindo posturas como propor uma releitura das Escrituras e mais recentemente um pastor e escritor conhecido em vários países veio a público pedir desculpas pelo fato de um dos seus sermões ter soado ofensivo para algumas pessoas. Adotar a política da boa vizinhança pode ser uma evidência clara do desprezo às Escrituras.

Homens, redobrem a atenção! Casas, igrejas e sociedade estão sendo destruídas porque os homens, inclusive os crentes estão saindo da presença de Deus e adotando práticas culturais, que vão contra princípios bíblicos e ofendem a Deus. Homens sejam fortes e reassumam a sua posição de liderança. A família e a sociedade clamam por isso.