“Mudança Necessária”
13 de março de 2020
“Testemunhemos”
16 de março de 2020

“Somos peregrinos (2)”

Abraão era um homem de peregrinação. Sua peregrinação em direção à terra prometida começou aos setenta e cinco anos de idade, quando Deus o chamou de Ur dos Caldeus. “Então o Senhor disse a Abrão: Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei” (Gn 12.1). A chamada de Deus para Abraão ser um peregrino envolveu muitos momentos marcantes na vida deste patriarca.

Abraão teve que deixar sua terra, seus pais, seus familiares. Ele não vacilou em obedecer ao Senhor que o chamou. “Partiu Abrão, como o Senhor lhe ordenara” (Gn 12.4). O patriarca expressou o quanto amava a Deus, na verdade, amava ao Senhor acima de tudo e de todas as coisas. Ele não desprezou sua família, mas, quando foi chamado para ir a uma terra que não conhecia, ele obedeceu, de coração, a Deus.

Abraão, em obediência ao chamado do Senhor, foi para uma terra que não conhecia. “E vá para a terra que eu lhe mostrarei” (Gn 12.1). Ele não conhecia a terra da sua peregrinação, mas manifestou sua fé em Deus e descansou no Senhor. Peregrinar sob a graça de Deus não exige que se conheça o destino final, pois, se o Senhor prometeu estar com Seus filhos, então, Ele sempre estará. O fato de Abraão não conhecer o fim da sua peregrinação terrena, não tirava dele a confiança em Deus.

Abraão, em sua peregrinação, sempre adorou ao único Deus. Onde ele acampava, erguia um altar ao Senhor. A razão para fazer isso é porque ele era temente a Deus, o Deus único e verdadeiro. As cidades por onde passou em sua peregrinação eram idólatras, todavia, mesmo vivendo no meio delas, a idolatria não o influenciou. Ele sempre exerceu sua fé no único Deus, o Senhor todo-poderoso.

Em sua peregrinação, confiava na providência de Deus. Quando Abraão disse ao seu filho Isaque: “Deus mesmo há de prover o cordeiro para o holocausto, meu filho” (Gn 22.8), estava expressando sua fé viva no Senhor Deus. Abraão estava sendo provado em sua fé. Até onde ele confiaria em Deus? E ele manifestou sua fé em Deus, sem medo e sem vacilar. Deus proveu o cordeiro e Abraão e Isaque continuaram firmes na peregrinação.

Em nossa peregrinação demonstramos obediência a Deus? Confiamos, sem medo e sem reserva no Senhor, mesmo não sabendo para onde poderemos ir nesta peregrinação? Somos fiéis ao Senhor, adorando unicamente a Ele? E quando nossa fé é provada, confiamos unicamente no Senhor?

Somos peregrinos, mas nunca estamos sozinhos. Deus sempre está conosco.

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. José Paulo Brocco (Pastor na 1ª IPC de São Paulo)