“O valor da persistência”
26 de junho de 2020
“A Escola Divina” (Mateus 11.28-30)
29 de junho de 2020

“No mundo, mas . . .”

Está certo! O mundo, depois da entrada do pecado nunca mais foi um lugar maravilhoso para viver. É uma sociedade caracterizada pela vida em desobediência intencional e proposital a Deus, aos Seus mandamentos. O mundo procura viver como se Deus não existisse. ”Em sua presunção o ímpio não o busca; não há lugar para Deus em nenhum de seus planos” (Sl 10.4).

E toda a sociedade está comprometida com o pecado. “Diz o tolo em seu coração: Deus não existe. Corromperam-se e cometeram atos detestáveis; não há ninguém que faça o bem” (Sl. 14.1).

Todavia, apesar do mundo não amar a Deus, Ele foi misericordioso e, graciosamente, desde toda eternidade, escolheu aqueles que seriam Seus filhos mediante a morte de Cristo em lugar desses pecadores. “Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença” (Ef 1.4), “Nele temos a redenção por meio do seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus” (Ef 1.7).

Nenhum pecador é salvo por méritos pessoais. A vida eterna com Deus é um ato da graça. Dele em favor de todo aquele que foi escolhido para a viver eternamente com o Senhor Deus.

O cristão não pertence mais ao mundo: “Se vocês pertencessem ao mundo, ele os amaria como se fossem dele. Todavia, vocês não são do mundo, mas eu os escolhi, tirando-os do mundo; por isso o mundo os odeia” (Jo 16.19). E o ódio do mundo, contra o cristão é intenso e constante. “Bem-aventurado serão vocês quando, por minha causa os insultarem, os perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês” (Mt 5.11).

No mundo, mas não do mundo! Eis a missão do cristão. Estar no mundo, mas não ser do mundo. Não é viver isolado ou ignorar o mundo. Mas é não amar o mundo. “Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele” (1ª Jo 2.15).

Todo cristão deve ser caracterizado por uma vida de santidade. “Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade” (1Ts 4.7). Viver em santidade não é viver em isolamento. É viver no mundo, estar no mundo, mas não ser do mundo, ou seja, não viver de acordo com as práticas e costumes da sociedade.

O viver do cristão, em conformidade com os ensinos e mandamentos do Senhor Deus, ofende o mundo, mas não para o mal e, sim, para o bem. Pois, sendo um filho de Deus, sua vida deve ser vivida para a glória de Deus. Não se isole do mundo, pois, embora estamos no mundo, vivemos no mundo, não somos do mundo.

Lembre-se que estar no mundo não significa ser do mundo.

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. José Paulo Brocco (Pastor na 1ª IPC de São Paulo)