“Firmados na boa base” (Mateus 7.24-29)
23 de julho de 2020
“Você é confiável”
25 de julho de 2020

“No mundo das fakes (3)”

“Vocês ouviram o que foi dito: Não adulterarás. Mas eu lhes digo: Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela em seu coração” (Mt. 5.27-28).

Jesus está se referindo ao sétimo mandamento: “Não adulterarás” (Êx 20.14). E, certamente, há uma implicação direta com o décimo mandamento: “Não cobiçarás” (Êx. 20.17). A cobiça é um pecado mais interior e o adultério é uma ação exterior.

Os rabinos ensinavam que o problema estava na consumação de um adultério. E aqui é que está o problema, não apenas para os tempos do Antigo, como também do Novo Testamento e também dos nossos dias.

Jesus, no entanto, aborda o problema do adultério em seu pleno significado. “Vocês ouviram . . . mas eu”. Ele dá a correta interpretação do mandamento. E o problema é muito mais profundo do que aparenta ser, pois, tanto é uma advertência quanto uma exortação. A advertência está nas consequências da quebra do mandamento: “É melhor perder uma parte do seu corpo do que ser todo ele lançado no fogo do inferno” (Mt 5.29-30). Jesus não está ensinando a mutilação como forma de resolver problemas, pois o problema ainda persistiria. A exortação é quanto à necessidade de um progresso sempre contínuo na vida de santificação.

Jesus disse: “Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no coração” (Mt 5.28). Eis o problema: o pecado consiste nas intenções do coração. Não precisa ser consumado, mas, se for intencionado interiormente, o pecado já foi cometido. Portanto, o problema do homem é o seu coração. “Pois do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias” (Mt 15.19).

O que fazer para viver uma vida de crescente santificação? “Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos” (Gl 5.24).

Jamais o cristão deve pensar que está isento das más intenções, das paixões da carne apenas porque é um cristão. É preciso fazer o que Paulo exorta nesse versículo: crucificar a carne, ou seja, fazer morrer, cada dia, a natureza pecaminosa. É uma batalha intensa, diária e tremendamente desgastante; por isso, a vida de santificação é essencial em sua vida.

Talvez o mundo diga a você: mas, qual o problema em fixar os olhos? Porém, lembre-se do que Jesus disse, que olhar com desejo impuro já é pecado, pois revela o que há no coração.
Alguém pode dizer que não há problemas em desejar o que não é lícito. Então, considere a advertência de Jesus: “É melhor perder uma parte do seu corpo do que ir todo ele para o inferno”.
Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. José Paulo Brocco (Pastor na 1ª IPC de São Paulo)