“Resplandecendo como candeia” (Mateus 5.14-16)
16 de julho de 2020
“Aqui tudo é passageiro”
20 de julho de 2020

“No mundo das fakes (2)”

É terrível como as fakes se multiplicam. Todavia, não há nada que seja novo neste mundo. Elas estão presentes em todas as áreas da vida, inclusive na religião. O apóstolo Paulo escrevendo aos gálatas, disse: “Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo” (Gl. 1.6-7). Tudo o que é falso seduz. Os gálatas estavam se deixando levar por um outro (heteros) e isso, “tão depressa” e a ideia é a de transferir a fidelidade. Aqueles que estavam dando ouvidos ao falso evangelho estavam apostatando da fé no evangelho verdadeiro, o evangelho da graça de Deus.

Quando Jesus disse na cruz: “Está consumado” (Jo 19.30) toda a obra da redenção do pecador estava completamente concluída. E, tudo isso, unicamente pela graça de Deus. Somos salvos pela graça de Deus. “E estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, – pela graça sois salvos” (Ef 2.5). O evangelho da graça de Deus é a verdade que devemos proclamar a todos os pecadores. E isso significa dizer que o homem nada pode fazer pela sua salvação em Cristo.

O outro evangelho pregado aos gálatas não era o evangelho de Deus. Provavelmente alguns pregadores estavam anunciando outro evangelho, dizendo: o que Paulo prega é verdade, mas não é toda a verdade. O homem precisa fazer a sua parte se quiser obter a salvação. Em Atos 15.1 lemos: “Alguns indivíduos que desceram da Judéia ensinavam aos irmãos: Se não vos circuncidardes segundo o costume de Moisés, não podeis ser salvos”. O que estava sendo ensinado era que, além da graça de Deus, para que alguém fosse salvo era preciso circuncidar-se e também obediência à lei de Deus, como meio de salvação.

É importante considerar que o termo evangelho, conforme usado pelo apóstolo Paulo é, num sentido exclusivo, referente à salvação somente pela graça de Deus. O evangelho de Cristo não muda. É sempre o mesmo, pois Deus, que é o autor, é imutável.

A salvação é pela graça, unicamente pela graça de Deus. Todavia, jamais podemos ignorar que a graça de Deus foi manifestada na cruz. “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm 5.8).

Lembre-se que, nem tudo que reluz é ouro!

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. José Paulo Brocco (Pastor na 1ª IPC de São Paulo)