“Isso é com você”
6 de novembro de 2019
“Reconheçamos nossas falhas!”
8 de novembro de 2019

“Meu maior Tesouro”

“Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo” (João 6:27).

O contexto da passagem de hoje, Jo 6:27, mostra Jesus fazendo uma dura acusação à multidão que o acompanhava, veja: “Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura. E, tendo-o encontrado no outro lado do mar, lhe perguntaram: Mestre, quando chegaste aqui? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo:”.

A repreensão de Jesus revelou a verdadeira motivação daquela multidão que não media esforço para estar com Ele. A acusação de Jesus tornou visível quão egoísta e materialista era o coração daquelas pessoas, disse Ele: “vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes”. Perceba que no diagnostico de Jesus aquelas pessoas o buscavam com fim material e temporal, ou seja, de encherem suas barrigas; assim, desprezavam o espiritual e eterno, permanecendo com os corações vazios e frios.

O que nos chama a atenção é que a busca errada por Jesus não foi um problema apenas daquelas pessoas ou exclusivo daquela época. Mas é um problema de muitos cristãos hoje, e pode ser também um problema meu e seu. Afinal, vivemos cercados por incontáveis compromissos. Que na grande maioria são assumidos com propósito de conquistas materiais. Esses são tantos, de forma que, às vezes, a sensação que temos é de existir mais o que fazer do que tempo para fazer. Apesar de tudo, desejamos e, é verdade, nos esforçamos para (ao menos) irmos à igreja aos finais de semana. Contudo, ao ouvirmos as palavras de Jesus, precisamos, com sinceridade, nos perguntar: “o que me tem motivado buscar a Jesus?” O tenho desejado e o perseguido como a multidão, a fim de encher a barriga – interessado por benção materiais, ou O tenho buscado como Senhor, àquele que pode alimentar a alma?

Diagnosticado o erro, disse Jesus à multidão: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará”. Tal é a ordem também para nós. Não podemos recorrer no mesmo erro que a multidão. Precisamos nos empenhar por buscar o que realmente é valioso e duradouro. Devemos como disse Jesus, “ajuntar tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corroem, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” (Mt. 6.19-21). Que o Santo Espírito do Senhor nos transforme diariamente para que a maior prioridade da nossa vida seja a riqueza espiritual, o saciar da alma e não, somente e erroneamente o material e o encher da barriga ou o saciar da carne. Seja o Senhor o nosso maior tesouro. Amém!

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Roney Pascoto