Acalma-nos, ó, Senhor!
28 de julho de 2020
“No mundo das fakes (4)”
30 de julho de 2020

“Jejum, uma prática necessária”

“Ninguém põe remendo de pano novo em veste velha, porque o remendo tira parte da veste, e fica maior a rotura” (Mt. 9.16).

Quando atentamos para o texto bíblico, na sua totalidade, vemos em vários momentos da história do povo de Deus, grande ênfase no jejum. Via de regra, apregoava-se o jejum em momentos em que, como consequência da impiedade, o zelo do Senhor ameaçava consumir o povo rebelde, daí uma chamada à consagração. Mas vemos também que, quando Israel estava prestes a travar batalha contra os seus inimigos, o povo era desafiado a entrar em jejum, para que, desta forma, o Senhor desse vitória para o seu povo.

O jejum é de natureza espiritual, e exatamente por esta razão, está ligado ao arrependimento, fé e consagração. Sendo assim, equivocam-se aqueles que veem o jejum apenas como abster-se do alimento e ou ainda quando pensam que podem valer-se do jejum para barganhar com Deus. Lembro-me que certa vez assisti um programa evangélico na TV que falava sobre o assunto, quando em entrevista, uma jovem disse que queria alcançar uma bênção, por isso, firmou o propósito de abster-se do chocolate por 21 dias.

No texto em questão, o Senhor Jesus é questionado: “Porque jejuamos, e os fariseus [muitas vezes], e teus discípulos não jejuam?” (Verso 14). Acontece que os discípulos de João acreditavam que a devoção apressaria a vinda do reino. Tendo Cristo ciência do entendimento daquelas pessoas a respeito do jejum, passa a valer-se de algumas ilustrações no propósito de aplicar o seu ensino. No verso quinze ele faz referência aos preparativos de um casamento, onde, segundo ele, o ambiente é para alegria e não para tristeza. Nos versos subsequentes, utiliza as figuras do remendo na roupa e do cultivo do vinho. Na perspectiva de Cristo nenhuma das ações citadas fazem o menor sentido. Por que os discípulos de Cristo deveriam jejuar pela expectativa do reino se o SENHOR do reino estava ali com eles?

Nós, no entanto, aguardamos com expectativa a segunda vinda do Senhor da igreja, por esta razão, devemos fazer isto em devoção, jejuando e nos consagrando continuamente, isto sim, faz todo o sentido! Você tem o hábito de jejuar? Caso sim, faz com motivações corretas? Caso não, à luz do ensino bíblico, eu te incentivo para que dedique tempo ao jejum e oração.
Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Givaldo Santana (Pastor na IPC de Birigui – SP e Pedrinha Paulista – SP)