“Digo-vos que depressa Deus lhes fará justiça” (Lucas 18.8)

“Confie em Deus”
1 de maio de 2020
“De quem é a Culpa”
4 de maio de 2020

“Digo-vos que depressa Deus lhes fará justiça” (Lucas 18.8)

Meus irmãos, temos diante de nós um grande incentivo para o exercício fiel do sacerdócio de todos os santos. Jesus Cristo falou essas palavras como uma resposta à pergunta que fez na parábola sobre o juiz iníquo, como ela ficou conhecida.

Todos nós sabemos que a parábola é sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer. Então, o texto em destaque na nossa meditação é uma garantia de que Deus ouvirá a oração dos seus amados. Observe o comentário que Lucas faz no verso 1 desse capítulo: “Disse Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer”. A oração é um grande privilégio. Adentrar a corte celestial e ter uma audiência com aquele que é o Pai de toda eternidade é uma das maiores dádivas concedidas, pela morte de Cristo, a seres mortais e imperfeitos como nós. Por isso, devemos saber sim, o que orar e como orar.

Porém, além de ser um grande privilégio é também uma grande responsabilidade e um grande dever que recai sobre nós em todo o tempo. Pois, Lucas ainda nos orienta: “disse Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer”. Orar além de ser um privilégio também é um dever. Por isso, devemos orar em todo o momento e em toda a circunstância. Devemos orar quando estivermos tristes e quando estivermos alegres. Devemos orar em momentos de paz e em momento de tribulação e tragédia. Devemos orar por nós mesmos e pelos nossos amigos, bem como pelos nossos inimigos. Devemos orar sozinhos sempre e aproveitar cada oportunidade para orar com nossos irmãos. Como bem disse Loyd-Jones “é fora de qualquer dúvida que a oração é a mais sublime atividade da alma humana. O homem atinge o seu ponto culminante de sua experiência quando, de joelhos, acha-se face a face com Deus”.

Por fim, irmãos devemos orar em reação ao menor impulso do Espírito Santo, pois, nos é revelado nas Escrituras que o Espírito Santo também é chamado de Espírito de graça e de suplica (Zc.12.10).

Além de ser uma grande dádiva e uma grande responsabilidade, a oração conta com uma grande promessa. Deus garante responder as nossas orações e nos fazer justiça, bem depressa, quando por ela implorarmos com perseverança.

Observe bem a expressão perseverança. A promessa não é para aquele que é cristão e quase nunca ora. Nem mesmo para aquele que ora e logo se esquece pelo que estava orando. A promessa é para aquele que sabe pleitear junto ao trono do Altíssimo. É para aquele que sabe que a oração, como disse, Joel Beek: “é a única forma de transformar as promessas de Deus nos chifres de seu altar, pelos quais nós agarramos ao próprio Deus”.

Irmão, você quer ser uma benção para as pessoas ao seu redor e mesmo para a sua geração? Então, faça como Maria, passe muito tempo aos pés de Jesus Cristo, pois, de sua boca destila ininterruptamente favos da graça divina.

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Antônio Carlos S. Lima (Pastor na IPC de Antonina – PR)