“Deus cuidou de José, cuida de mim e cuida de você…”

“Vinde a mim, disse Jesus!”
16 de janeiro de 2020
“Rompendo com a indecisão”
18 de janeiro de 2020

“Deus cuidou de José, cuida de mim e cuida de você…”

“Adiante deles enviou um homem, José, vendido como escravo;” (Salmo 105:17)

Você já deve ter lido as narrativas sobre José, filho de Jacó, que se tornou um dos homens mais importantes do Egito. Mas, acredite, a parte mais importante da história desse homem não é como ele se tornou importante, ou com tanto poder no Egito, ficando só atrás de Faraó. Essa história não ensina Teologia do Triunfalismo Humano. A trajetória de José não serve de base para defender a Teologia da Prosperidade. Não dá para forçar a história desse homem de Deus para determinar com que Deus faça com a nossa história a glória que queremos para a nossa história.

Os irmãos de José achavam-no muito exibido e arrogante. Quiseram matá-lo. Mas, em vez disso, tomaram a decisão de se livrar dele para sempre. Em Gênesis 37:28 tem esse registro: “E, passando os mercadores midianitas, os irmãos de José o alçaram, e o tiraram da cisterna, e o venderam por vinte siclos de prata aos ismaelitas; estes levaram José ao Egito.” José foi embora para o Egito.

Os irmãos de José não tinham a mínima ideia do que iria acontecer. Talvez pensassem mesmo que tivessem dado um fim em José, pois até mentiram para seu pai, Jacó, dizendo que ele tinha sido devorado por uma fera. Por causa disso, Jacó chorou a morte de José.

A história não acabou nesse ponto. Em Gênesis 37:36 tem esse registro: “Entrementes, os midianitas venderam José no Egito a Potifar, oficial de Faraó, comandante da guarda.” José foi vendido pela segunda vez. Ele se tornou um escravo de Potifar.

Depois de muito tempo, depois de muitas coisas acontecerem, José chegou ao posto de governador do Egito. Numa época de terrível fome ele reencontrou seus irmãos. Quando José revelou aos seus irmãos quem era ele, disse: “Agora, chegai-vos a mim. E chegaram-se. Então, disse: Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois não vos entristeçais, nem vos irriteis contra vós mesmos por me haverdes vendido para aqui; porque, para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós.” Essas fortes palavras ditas por José aos seus irmãos estão registradas em Gênesis 45:4-5.

Depois de mais um tempo, Jacó pode rever seu filho que ele acreditava que estava morto. José estava vivo e não morto e recebeu toda sua família no Egito com a aprovação do Faraó: “E José sustentou de pão a seu pai, a seus irmãos e a toda a casa de seu pai, segundo o número de seus filhos.” (Gn. 47:12).
Na ocasião da morte de Jacó, José diante da chance de se vingar de seus irmãos, os consolou dizendo o seguinte: “Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida.” (Gn. 50:20).

E sabe por que isso é citado no livro dos Salmos? Porque nós somos chamados para louvar a Deus por tudo que Ele maravilhosamente faz. Deus transforma as maldições em bênçãos, o mal contra Seus filhos em benefícios para eles. Lemos assim no Salmo 107:17: “Adiante deles enviou um homem, José, vendido como escravo;”.

A história de José mostra como Deus cuidou dele. Essa história fala da providência de Deus. Na história da vida de José o principal é o Autor da Vida.
Igual a José você deve passar por uns perrengues, não é mesmo? Quantas coisas ruins não devem acontecer com você, não é verdade? Mas, você já parou alguma vez para contar quantas situações malditas Deus transformou em oportunidades te abençoando?

Muitas vezes nós contamos somente as dificuldades. Fazemos listas de problemas. Supervalorizamos as coisas ruins. Dizemos: que azar! Que falta de sorte! Que inferno! E por aí vai. José passou por tudo que passou não para se engrandecer, mas para engrandecer o nome de seu Deus. Ele passou por tudo que passou não para maldizer sua sorte ou a Deus.

Deus transforma maldições em bênçãos. Lembre-se que Jesus morreu no maldito madeiro para salvar você da condenação eterna. Que bênção!
Aprenda com tudo que você tem passado. Nada é por acaso, tudo é providência de Deus!

Louve a Deus como o autor do Salmo 119 que no verso 71 registrou assim: “Foi-me bom ter eu passado pela aflição, para que aprendesse os teus decretos.” Nosso Deus tem cuidado de nós e a Ele somente rendamos gratos louvores e adoração por todo Seu trabalho, Sua providência e Seu amor. Que a nossa história seja para mostrar o poder do nosso Deus!

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Heli Donizete (Pastor da IPC de Prata – MG)