“Clamo ao Senhor, e Ele me ouve”

“Conhecendo a Deus (5)”
19 de agosto de 2019
“Conscientes da Graça”
21 de agosto de 2019

“Clamo ao Senhor, e Ele me ouve”

“Na minha angústia, clamo ao SENHOR, e ele me ouve” (Salmo 120.1)

De acordo com os versículos 2 e 3, a angústia do salmista aqui expressada era decorrente de calúnia. Esta é uma daquelas coisas das quais dificilmente é possível se proteger. Não conseguimos repeli-la pela força, nem sempre conhecemos a sua origem e seus efeitos podem perdurar muito tempo, mesmo depois dela ter sido refutada.

O que fazer diante de algo assim? Se não conheço sua origem, se não consigo refuta-la completamente, se não posso evitar seus efeitos sobre minha reputação, tudo o que posso fazer é entregar o caso ao Senhor; o salmista diz que clama ao Senhor e Ele o ouve.

Há duas coisas que precisamos saber. A primeira é que todos podemos ser vítimas de calúnia e, diante desta angústia, ou diante de qualquer outra, devemos ter a certeza de que Deus nos ama e ouve o nosso clamor, segundo a Sua vontade.

A segunda é que é muito fácil querermos nos identificarmos com a parte prejudicada, mas corremos um risco muito grande de sermos o caluniador, ou seja, prejudicarmos a alguém. Não nos esqueçamos de que Deus é reto juiz e nos julgará por nossos atos.

Assim, enquanto clamamos a Deus em meio à angústia, supliquemos a Ele misericórdia para que não sejamos causadores de angústias.

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Welerson Alves Duarte