“Amor para com os perdidos” (Lucas 15.8-10)

“As características de um coração regenerado”
30 de maio de 2020
“Semente entre espinhos”
2 de junho de 2020

“Amor para com os perdidos” (Lucas 15.8-10)

“Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende”. (Lc.15.10)

É impressionante como sempre encontraremos indivíduos que demarcam território e procuram estabelecer quem deve estar ali ou não. É um tipo de ostracismo! Na medida em que alguém faz isso, naturalmente coloca-se em posição superior aos demais. A presente parábola e a anterior foram contadas por Cristo justamente para combater uma postura seletiva dos religiosos que estavam diante dele: “E murmuravam os fariseus e os escribas, dizendo: Este recebe pecadores e come com eles”. (Lucas 15.2).

A presente parábola nos traz uma informação no mínimo inusitada; uma mulher chama os vizinhos e solta fogos por ter reencontrado uma moeda, que em tese tem tão pouco valor. Pois bem, a presente ilustração nos diz que aconteceu justamente isto, mas claro, antes do achado foi necessária laboriosa e meticulosa procura. Talvez aquela mulher dissesse para si mesma: “Eu tinha dez moedas, mas ainda tenho nove, tudo bem ter perdido uma”. Mas pelo contrário, ela faz questão de procurar até achar e, quando acha não se contenta e sai para compartilhar a sua alegria com as amigas.

A princípio podemos até achar que foi um exagero da parte de Cristo, mas o desdobramento da parábola nos remete para a realidade de que a ênfase foi na medida certa, pois o que está em questão é o perdido, aquele por quem Deus foi servido em amar por meio do seu bendito filho. O pecador deve ser buscado, e uma vez resgatado do lamaçal de pecados, deve ser motivo de festejo.

Sim amados, Cristo é aquele que procura os perdidos, e os habitantes do céu se alegram toda vez que um perdido é achado. Longe dos nossos conceitos e preconceitos, Deus é servido em atrair de forma indistinta os pecadores.

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Givaldo Santana (Pastor na IPC de Birigui – SP e Pedrinha Paulista – SP)