“Vida Profunda com Deus”
5 de agosto de 2019
“Preservando o Valor do Evangelho”
7 de agosto de 2019

“A somar forças”

Um corpo bem ajustado edifica a si mesmo, conforme Efésios 4.16. Embora, a tribo de Judá desconhecesse os escritos paulinos, não titubeou em somar foças com Simeão na peleja contar os cananeus. Lê-se em Eclesiastes 4.12 sobre a resistência do cordão de “…três dobras…”. No texto de Juízes 1.1-3 lemos que Judá consultou o Senhor e firmou aliança com Simeão. Por inferência, nota-se nesses versos um cordão de três dobras: Deus, Judá e Simeão. Estabelecer Israel em Canaã era projeto de Deus; o tempo era chegado e, a Nação precisava manter-se unida na peleja.

Josué já não estava mais à frente de Israel! Os líderes passam! Os desafios exigem postura dos que ficam! Ainda bem que Deus é “eternidade a eternidade”! Quem subirá contra os cananeus? Desafios… No entanto, são indispensáveis à formação do “…bom soldado de Cristo Jesus” (2ª Timóteo 2.2). As mais variadas provações resultam em perseverança, a fim de que, o servo de Cristo saiba que o poder pertence a Deus.

Uma vez que o plano é de Deus, ninguém melhor que ele para dizer quando, como e o que deve ser feito. Os filhos de Israel consultaram o Senhor! Nesse ato dos Israelitas, subentende que Deus não abandonou o seu projeto no trespasse de Josué; a estabilidade da Nação continuava sendo o propósito Divino. Ciente de tal realidade, Judá recorreu ao Deus da Aliança, coisa que, infelizmente Saul não fez quando se viu pressionado pelos Filisteus (1 Samuel 1-7). Enquanto Judá alcançou favor de Deus, Saul foi morto devido tamanha insensatez, conforme 1 Crônicas 10.1,14.

Do procedimento de Judá depreende-se que, por serem de Deus os planos, o tempo e o modo para que sejam executados respeitam a vontade do dele. Moisés só desceu ao Egito quanto o Senhor lhe enviou; As muralhas de Jericó só ruíram depois que as observações estipuladas por Deus foram cumpridas. Tempo e Modo! Quem subirá primeiro? Infelizmente, nem sempre a história tem servido de lição! Não raras, são as vezes que o povo de se vê em situações vexatórias por agirem imprudentemente! As derrotas em Hormá, segundo Números 14.45 e em Ai conforme Josué 7.4, provavelmente serviram para que Judá ponderasse antes de tomar qualquer iniciativa contra os cananeus.

O mesmo Paulo, supramencionado, apresenta uma lista considerável de cristãos que muito lhe ajudaram no desempenho de seu ministério, conforme se acha registado em Romanos 16.1-16. O texto de Josué 19.9 ressalta que Simeão teve sua herança no meio de Judá, no entanto, mesmo que as divisas fossem outras, como povo de Deus, deveriam ajudar-se mutualmente. Até por que: um corpo bem ajustado edifica a si mesmo. Uma vez que, as tribos mencionadas defendiam as mesmas fronteiras, por que não somar foças? Por que não dividir responsabilidades e glórias? Com a atitude Judá, aprende-se que o povo da Aliança peleja no mesmo campo de batalha.

Judas o irmão de Tiago convocou a Igreja a batalhar pela fé. O apóstolo Paulo escreveu à igreja de Éfeso para que se fortalecesse em Deus. No Evangelho de João lê-se que da Igreja espera bom ânimo, pois Jesus venceu o mundo. Os embates nunca foram, nem são e, nem serão estranhos à caminhada do povo salvo. Por isso, tal qual Judá, requer-se da Igreja, sempre consultar às Escrituras quanto a sua batalha neste mundo, até que volte o Cristo de Deus.

Que o Senhor Jesus conceda um ótimo dia a você e toda a sua família.

Rev. Reginaldo Naves