O Crescimento da Igreja: Um desafio para nós

O Deus que se revela predestina todas as coisas
2 de março de 2017
O Que os Pais Cristãos Devem Saber sobre Batismo Infantil
2 de março de 2017

REVERENDO JOSÉ PAULO BROCCO

(Presidente da Assembleia Geral da IPCB)

 

O crescimento numérico da igreja é algo desejado por todos nós. Queremos ver a igreja crescendo, ampliando suas tendas e tornando-se forte e influente na sociedade.

É muito comum ouvirmos orações que expressam o desejo de crescimento numérico, mas, também e, principalmente, na “fé”. Entendo que não é errado orar assim; todavia, às vezes, soam apenas como formalidade e não um desejo real de crescimento, seja em números ou na fé. Por que isso? Temos saído para lançar a semente das boas novas de Deus para o mundo? A igreja tem crescido e se fortalecido na fé?

Ouvimos também comentários como: está muito difícil evangelizar em nossos dias; as pessoas não querem ouvir a mensagem de Deus e outros comentários. Porém, desde a entrada do pecado no mundo, houve algum momento que fosse fácil evangelizar?

Pensemos um pouco na sociedade, nos dias de Noé. “O Senhor viu que a perversidade do homem tinha aumentado na terra e que toda a inclinação dos pensamentos do seu coração era sempre e somente para o mal”. (Gn 6.5). “Ora, a terra estava corrompida aos olhos de Deus e cheia de violência. Ao ver como a terra se corrompera, pois toda a humanidade havia corrompido a sua conduta”. (Gn 6.11-12). O dilúvio foi um ato da justiça de Deus devido ao pecado na humanidade. A citação desse fato é para mostrar que, apesar da intensidade e da extensão do pecado, Noé foi o porta-voz no seu tempo.

Outro exemplo é da sociedade nos dias do apóstolo Paulo. “Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém”! (Rm 1.25)

O livro de Atos registra cerca de trinta anos de história da Igreja. A história começa em Jerusalém e o livro termina com a prisão domiciliar do apóstolo Paulo em Roma. Nesse período a igreja experimentou um crescimento numérico extraordinário e expansão geográfica magnífica. Atos 9.31 registra um fato desafiador a todos nós. “A Igreja passava por um período de paz em toda Judéia, Galiléia e Samaria. Ela se edificava e, encorajada pelo Espírito Santo, cresciam em número, vivendo no temor do Senhor”. Especialmente, devido à morte de Estevão, a igreja expandiu-se e Jerusalém deixou de ser o único ponto de referência. Ela alcança Judéia, Samaria e Antioquia (Síria) e esta igreja tem uma importância enorme para a expansão do Reino de Deus por todo o império romano.

Os propósitos de Deus são soberanos e estão muito acima dos nossos. Saulo, o homem que havia perseguido a igreja, que deu o voto favorável à morte de Estevão, deixou de ser perseguidor e tornou-se um perseguido e isto tão somente pela graça de Deus.

O que levou a igreja a crescer em número e expandir-se geograficamente? As últimas palavras de Jesus, à Sua igreja, antes de ser elevado ao céu, foram: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. (At 1.8). Em Atos 2.42-47 registra o modo de vida da igreja e o resultado desse viver: “E tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos”. Lucas finaliza o verso 31 de Atos 9, dizendo: “vivendo no temor do Senhor”. Podemos dizer que a igreja, positivamente, causava impacto na sociedade, pois pregava fielmente a Palavra de Deus, a oração era parte vital da igreja e o testemunho era firme e forte.

Acho desafiador o final do livro de Atos. “Por dois anos inteiros Paulo permaneceu na casa que havia alugado, e recebia a todos os que iam vê-lo. Pregava o Reino de Deus e ensinava a respeito do Senhor Jesus Cristo, abertamente e sem impedimento algum”. (At 28.30-31). Termina com a prisão do apóstolo Paulo aguardando julgamento, mas registra que, embora preso, Paulo continuou pregando o evangelho. A história da igreja continua sendo escrita por aqueles que servem, de coração e com fidelidade, ao Senhor Jesus.

Por que a igreja hoje vive um momento tão crítico?

Certamente ela tem se afastado das doutrinas bíblicas, a liturgia é voltada, em grande parte, para o entretenimento das pessoas e não para a adoração a Deus, pouca confraternização entre seus membros e, menos ainda, vida em comunhão uns com os outros, os púlpitos estão enfraquecidos.

John Benton, em seu livro CRISTÃOS EM UMA SOCIEDADE DE CONSUMO, diz: “A causa principal da impotência da igreja cristã nos dias de hoje não é necessariamente os grandes pecados, mas o simples fato de que os cristãos se distraem com o que é trivial, com a infinidade de opções para ocupar o tempo na sociedade de consumo”. (p.42). É certo que isso ocorre porque a “sã doutrina” não tem sido pregada firme e ousadamente. As marcas de uma igreja, a pregação fiel das Escrituras, a administração correta dos sacramentos e o exercício da disciplina bíblica não têm sido marcantes na igreja e a ausência dessas marcas enfraquecem a igreja.

Embora o cenário seja difícil, não há porque esmorecer ou desanimar. Jesus é a Cabeça da igreja e é a Ele que devemos servir.

Vamos batalhar, juntos pelo crescimento numérico da igreja. E, para que isto seja uma realidade, por onde começar?

  1. A vida devocional do pastor. É fundamental que o pastor mantenha sua vida de comunhão com Deus. Corre-se o risco de, por causa da familiaridade com a Palavra de Deus, perder a reverência e o temor ao Senhor. Leitura, estudo e meditação da Palavra de Deus são fundamentais na vida de todo cristão, mas, principalmente na vida do pastor. Sendo ele uma ovelha, precisa manter sua comunhão pessoal com Deus; e, sendo o pastor, esse privilégio deve ser mais constante. Quando não há aprofundamento da comunhão com Deus, estudo e meditação na Palavra de Deus, o púlpito pode tornar-se algo mecânico e profissional. É preciso fugir desse perigo.
  1. O púlpito deve ser um lugar para a exposição firme e fiel da Palavra de Deus. Os pregadores não devem ser promotores de entretenimento. A pregação das Escrituras Sagradas deve ser fruto de intenso estudo do texto a ser exposto e profunda dependência da orientação e iluminação do Espírito Santo. Através da exposição bíblica a igreja é edificada na verdade de Deus e fortalecida para resistir e enfrentar todas as investidas que são levantadas contra ela. John H. Armstrong diz: “Temos a responsabilidade de ligar a consciência de nossos ouvintes à Palavra de Deus. A forma adequada de destruir falsas tradições e práticas é sempre mostrando à igreja, por meio do uso apropriado da Palavra de Deus, a maneira correta de pensar e agir”. (in O Ministério Pastoral Segundo a Bíblia – p. 33).
  1. O pastor deve ser um homem de Deus que ora e que faz da vida de oração, um firme fundamento para todo o seu ministério. Quando Saulo chegou a Damasco e Deus ordenou que Ananias fosse ter com ele, o Senhor disse: “Ele está orando” (At. 9.11). E este servo de Deus continuou firme em sua vida de oração. Orar a Deus é colocar-se diante do trono de graça, agradecer, suplicar, interceder fervorosamente. É balbuciar palavras que veem do mais profundo do coração, mas com certeza que Deus ouve e responde, segundo a Sua vontade.
  1. É importante que, não apenas o pastor, mas toda a igreja, mantenha a vida de oração sempre dinâmica e firme. Os apóstolos Pedro e João, haviam sido presos e libertados e, quando se reuniram com a igreja, oraram a Deus. “Agora, Senhor, considera as ameaças deles e capacita os teus servos para anunciarem a tua palavra corajosamente. Estende a tua mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do teu santo servo Jesus. Depois de orarem, tremeu o lugar em que estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a palavra de Deus” (At 4.29-31). “Quando desejamos ver nossa igreja ir das brasas para as chamas, a oração é o elemento espiritual que corresponde ao oxigênio na hora de acender um fogo. Sem o oxigênio da oração para produzir a chama da renovação, nenhuma quantidade de esforço humano pode produzi-la. Aliás, quanto mais trabalharmos na revitalização, mais frustrados ficaremos – a menos que nossas constantes orações forneçam a centelha espiritual de que precisamos” (Harry L. Reeder III – A Revitalização da sua igreja segundo Deus – p. 57).
  1. A igreja precisa lembrar-se constantemente da missão que lhe foi dada: ir ao mundo e pregar as boas novas de salvação em Jesus Cristo. Jesus, em Sua oração sacerdotal, pediu a Deus: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo” (Jo 17.17-18). O mundo é campo de ação da igreja para anunciar o caminho da salvação em Cristo Jesus. “Façam tudo sem queixas nem discussões, para que venham a tornar-se puros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e depravada, na qual vocês brilham como estrelas no universo, retendo firmemente a palavra de vida” (Fl 2.14-16).
  1. Amar uns aos outros. Jesus disse: “Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” (Jo 13.34-35). O padrão do amor que nos é apresentado é do amor de Jesus para com Sua Igreja: “Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros”. O apóstolo João, em sua primeira epístola, exorta: “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, visto que Deus assim nos amou, nós também devemos amar uns aos outros” (1Jo 4.10-11).

Amados irmãos presbiterianos conservadores. Há muita urgência de nossa parte em cooperarmos na expansão do Reino de Deus. Enquanto é dia e enquanto temos oportunidades é mister que anunciemos o evangelho a todo mundo.

O crescimento numérico da igreja não é mágico; deve ser fruto do ardor e da paixão de falar de Cristo às pessoas; ir ao mundo e, no meio da sociedade corrompida pelo pecado, ser sal da terra e luz do mundo. Jamais o crescimento numérico deve ser um fim em si mesmo, mas um meio para que o nome de Deus seja glorificado e exaltado.

As pessoas precisam ouvir sobre o caminho que leva o pecador a Deus. É o caminho do arrependimento. “E lhes disse: Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia, e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vocês são testemunhas destas coisas” (Lc 24.46-48).

Eis, para nós, um desafio: o crescimento da igreja. Esse desafio já foi lançado em nossa primeira pastoral, em 1940, que diz: “A vossa atividade, irmãos queridos, deve caracterizar-se, por um vivo espírito missionário. A Igreja Conservadora quer ser pujante e forte, nos alicerces de sua ortodoxia inabalável. Para esse desideratum ser atingido, fugi ao mal do proselitismo. Crescer pela admissão de membros de outras denominações, obtidos pela propaganda dos nossos princípios não satisfaz inteiramente. É o que em História Natural se chama de crescimento por aposição, de fora para dentro. O que deveis esperar é o crescimento de dentro para fora, ou seja, por intussuscepção. Este é seres vivos, enquanto que aquele é dos minerais.

A Igreja Conservadora surgiu para ser uma igreja viva. Para isso, são necessárias conversões de elementos estranhos ao meio evangélico, tocados pela graça de Deus, mediante a instrumentalidade do trabalho missionário”.

“O semeador saiu a semear” (Lc 8.5).