A Igreja Evangélica caminha rapidamente para o Paganismo!

A IPCB e o dia da Bíblia
2 de março de 2017
Evangelização: O verdadeiro meio para o crescimento da Igreja
2 de março de 2017

A Igreja Evangélica caminha rapidamente para o Paganismo!

A igreja evangélica do século XXI vive uma realidade distante do Evangelho, na sua maior parte! Ela não tem mais identidade certa, pode ser qualquer coisa, é uma “metamorfose ambulante”, utilizando do título de uma das músicas do Raul Seixas! Mas para ficar uma aplicação ainda mais adequada, teria que ser uma “metamorfose teológica”! O verdadeiro contraste entre as igrejas não é mais tradicional versus o contemporâneo, mas o bíblico contra o não bíblico.[1]

Nunca cresceu tanto quanto nos últimos anos! É um crescimento positivo com impacto negativo na sociedade! O eterno é trocado pelos interesses temporais, imediatistas próprios da cultura pós moderna. Na realidade a igreja está adulterando com uma cultura pós crista! O misticismo, o paganismo fazem parte do cotidiano da igreja evangélica. Não existem mais demarcações claras entre o que é pregado na maior parte dos púlpitos daquilo que é defendido culturalmente!

O contexto atual da igreja é claramente revelado pelas últimas palavras do apóstolo Paulo antes do seu martírio, para o seu amado discípulo Timóteo:

Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade entregando-se às fabulas.”

(2 Timóteo 4. 3-4)

Paulo fala de um tempo em que muitos na igreja não suportarão a sã doutrina. Que abandonarão a verdade para abraçar mitos e lendas. Mas o que é a sã doutrina? É o ensino correto, saudável, puro, que procede unicamente das Escrituras. É uma doutrina que nos transmite vida e bem estar espirituais, que nos torna mais sábios no viver e santos progressivamente. É um verdadeiro ensino em contraste com o falso ensino dos hereges que pervertiam o Evangelho. Os caçadores de lendas, segundo Paulo não suportariam a sã doutrina. Esse não suportar é: a) não tolerar; b) não dar ouvidos; c) rejeitar por completo. Não é assim que temos vivido? A igreja moderna não gosta de Bíblia, de meditação na Palavra, de ter sua realidade moldada e confrontada com as Escrituras! Os crentes atuais, na sua esmagadora maioria, ama lendas e surtos espirituais e desprezam o alimento sólido do Evangelho!

 

…pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos…

Eles vão amontoar (cercar-se-ão) de falsos mestres que lhe ensinem o que é agradável aos ouvidos. Paulo afirma que será uma grande procura por pregadores que saciem os seus desejos pecaminosos, produzindo uma quantidade enorme de hereges. São pessoas que querem saciar suas cobiças. Querem pregadores que alimentem o seu ego. São religiosos com coceiras nos ouvidos, que enquanto não ouvem pregadores que saciem seus ouvidos, não se acalmam! Vivem em busca de promessas, de campanhas que prometem vitórias fáceis a qualquer custo!

Sabe por que existem falsos pregadores? Porque tem uma grande procura por esses falsificadores da Palavra! São pessoas que ficam de igreja e igreja, de canal e canal, de programa de rádio a outro, procurando pregadores que saciam suas coceiras, que alimentem seu ego. Sabe por que tem Valdemiro Santiago, R. R. Soares, Edir Macedo, Estevam Hernandes e outros? Porque tem muita gente que gosta, que deseja, que vive em busca de uma lenda, de uma fantasia de fé, e recusam a ouvir a pura e cristalina Palavra de Deus! Esses adoradores de Baal tem os profetas falsos que merecem!

e se recusarão a dar ouvidos à verdade entregando-se às fábulas. (verso 4)

 Esse recusar é dar meia volta para não ouvir a verdade. Essa geração que Paulo alerta Timóteo não vão querer assimilar a verdade,   (dar ouvidos). É um abandono do Evangelho, uma recusa em ouvir a Escritura. Eles vão desejar o contrário da verdade do Evangelho, vão em busca de fabulas (entregando-se a fábulas).  O que é isso? É vagar sem destino, uma viagem espiritual pela terra da fantasia, da lenda, do surto, do mito (sentido literal), estória extravagante!

                Há algum tempo fui convidado a pregar em um culto fúnebre em uma determinada igreja, e antes da minha exposição, foi dada a palavra para uma pastora, que entre outras coisas heréticas, disse quantos mil metros o inferno está abaixo de nós! E quantos mil metros o céu está acima! Ela sabia exatamente pelo “GPS da fé” a localização do inferno e do céu dos remidos! Um pregador afirmou para os seus fiéis que colocaria o diabo dentro da garrafa pet![2] Outro afirma que foi ordenado ao apostolado por uma profecia dada por meio de um galo![3] Outro pregador ungiu os celulares para que os fiéis recebem só notícias boas pelo “zap, zap, zap”[4]! Tem alguma coisa que ainda poderá nos surpreender?

As pessoas preferem acreditar que um lenço suado pode curar, pagar dívida se passar na maçaneta do banco, caneta ungida para fazer concurso e ser aprovado, fazer um descarrego na sexta-feira… do que crer na simplicidade e clareza do Evangelho de Cristo! John Marcarthur fez uma profunda e verdadeira análise da situação da igreja:

Por que os evangélicos tentam tão desesperadamente cortejar o favor do mundo? As igrejas planejam seus cultos de adoração para servir aos “sem igrejas”. Os produtores cristãos imitam a coqueluche mundana do momento em termos de música e entretenimento. Os pregadores se sentem aterrorizados de que a ofensa do evangelho possa fazer alguém se voltar contra eles; então, deliberadamente, omitem partes da mensagem que podem não agradar o mundo.[5]

A causa de todos esses males na igreja é daqueles que deturpam a Palavra, os falsos pastores! Enquanto esses forem apreciados, a igreja continuará a caminhar para a apostasia! Calvino afirmou sabiamente: A sã doutrina certamente jamais prevalecerá, até que as Igrejas sejam melhor providas de pastores qualificados que possam desempenhar com seriedade o oficio de pastor.

O nosso grande desafio é continuar fiéis na pregação simples e pura da sã doutrina para essa geração de caçadores de lendas e mitos! Crendo na inspiração plena da Palavra de Deus, na ação sobrenatural do Espírito Santo em usar homens piedosos, dentro das suas características, realidades, anseios, sem, contudo, permitir que o pecado influenciasse na escrita, para que pudéssemos ter um registro inspirado da revelação especial de Deus na história, revelando o plano da redenção do seu povo!

Corretamente afirmou João Calvino: Visto que a igreja é o reino de Cristo, e ele não reina senão por sua Palavra, continuamos duvidando de que são mentirosas as palavras daqueles que imaginam o reino de Cristo sem o seu cetro, quer dizer, sem a sua santa Palavra?[6] Na mesma direção John Stott disse:

Nossa adoração é fraca porque nossos conhecimentos de Deus são fracos, e nossos conhecimentos de Deus são fracos porque a nossa pregação é fraca. Quando, porém, a Palavra de Deus é exposta na sua plenitude e a congregação começa a ter um vislumbre da glória do Deus vivo, todos se curvam em reverente temor solene e admiração jubilosa diante do seu trono. É a pregação que realiza isso – a proclamação da Palavra de Deus no poder do Espírito de Deus. É por isso que a pregação é incomparável e insubstituível.

A igreja evangélica precisa se arrepender do seu adultério, da sua podridão espiritual, e voltar-se para o Evangelho de Cristo! Todavia, somente o Senhor pode operar essa reforma na igreja! Clamemos a Ele que tenha misericórdia daqueles que não se dobraram a Baal! A nós, crentes fiéis, cabe continuarmos resolutos em nossa caminhada em Cristo, desembaraçando de todo peso e pecado (Hb 12. 1-3)! Que Ele nos ajude a correr a carreira que nos esta proposta!

 

Reverendo Márcio Willian Chaveiro

[1] MAYBUE,  Richar L. Maybue, Redescobrindo o Ministério Pastoral, CPAD, 1995, p.22

[2] http://youtu.be/RvndKxpruko

[3] http://youtu.be/JhPLbqDA0KE

[4] http://youtu.be/73dNAf4xblI

[5] JUNIOR, John Macarthur Jr. , Princípios para uma Cosmovisão Bíblica, 2ª edição, Editora Cultura Cristã 2010, p.13

[6] CALVINO, João Calvino, As Institutas, volume IV, p. 15